Em crise, a rede de farmácias Big Ben será vendida por 'apenas' R$ 1

A "limpeza" no portfólio de investimentos em empresas do banco BTG Pactual, do poderoso banqueiro André Esteves, deve continuar nos próximos dias com a venda, por R$ 1, do controle da rede de farmácias BR Pharma ao empresário Paulo Remy, hoje sócio da construtora WTorre, apurou o jornal O Estado de S. Paulo.

Segundo fontes, Remy teria experiência em assumir negócios em dificuldades, pois trabalhou na consultoria Galeazzi & Associados, especializada em reestruturações. A BR Pharma é um dos ativos mais problemáticos na carteira do BTG. O banco tentou montar uma gigante em farmácias a partir de aquisições realizadas em diferentes regiões do país.

No entanto, o negócio revelou-se de difícil retorno e a instituição teve de fazer aportes de capital no ativo. Em janeiro do ano passado, por exemplo, o BTG injetou cerca de R$ 400 milhões na BR Pharma. Desde que resolveu desistir das farmácias, o BTG vinha vendendo separadamente as marcas.

Em novembro de 2015, a Mais Econômica foi repassada ao fundo Verti, por R$ 44 milhões. Em 2016, foi a vez da Rosário ser vendida à Profarma, por R$ 173 milhões. No entanto, o valor deveria sofrer um desconto, pois boa parte das lojas da Rosário estava enfrentando desabastecimento na época.

Ao passar o controle da BR Pharma adiante, o BTG sai do negócio sem receber nada, mas se livra de pesadas obrigações. Hoje, a BR Pharma se resume às redes Big Ben, Farmácia Santanna e à cadeia de franquias FarMais. Somente para comprar a Big Ben, o BTG gastou R$ 453 milhões, em novembro de 2011.

Não é a primeira vez que o BTG investe pesado num ativo para depois repassá-lo adiante com valor simbólico. A rede de varejo fluminense Leader, de apelo popular, foi vendida por R$ 1 ao advogado Fabio Carvalho. A Alvarez & Marsal assumiu a gestão.

O jornal O Estado de S. Paulo procurou a WTorre para falar sobre a entrada de Remy na BR Pharma, mas não obteve retorno. O BTG não quis comentar.

Em 2011, quando comprou o grupo Big Ben da família Aguillera, de Belém, a Brazil Pharma, holding de farmácias do BTG Pactual, pagou R$ 453,6 milhões. Deste total, R$ 275 milhões foram pagos em dinheiro, sendo R$ 100,9 milhões à vista e R$ 174,1 milhões em três parcelas anuais.

Os R$ 178,6 milhões restantes foram entregues em ações ordinárias, ao preço de R$ 15 cada. À época, a rede Big Ben possuía 146 lojas nos estados do Pará, Amapá, Maranhão, Piauí, Paraíba e Pernambuco, com faturamento de aproximadamente R$ 800 milhões nos últimos 12 meses até junho, mês da compra pela Brazil Pharma.

Com informações do Portal Uol

Comentários