Coloque a sua foto aqui: seja um seguidor do Santa Luzia Online

Archive for Março 2008

Som pesado - Para nossa alegria...

Para quem gosta de uma balada e de curtir uma cervejinha bem gelada ao bom som automotivo aqui estão três boas opções em nossa cidade.

Som do Erivaldo...

Som do Fabinho...

Som do Arlison...

Vale lembrar que todos os finais de semana essas máquinas estão nos melhores bares da cidade nos proporcionando ótimos momentos ao lado dos amigos para um bate papo descontraído regado a muita cerveja e embalados pelo o que há de melhor na música regional.

Maria Clara - Seja bem vinda...

Nasceu ontem em Fortaleza a princezinha Maria Clara, filha da linda Jeovanna... Seja bem vinda Maria Clara.

Aqui mamãe Jeovanna com Maria Clara saindo da maternidade.
Mamãe Jeovanna amamentando a princesinha.

Maria Clara muito bem acomodada no colinho da mamãe.

Três gerações de uma família: netinha, mamãe e vovó.

Maria Clara descansando depois de um dia estressante.

Maria Clara muito brava.

Bem grandinha, hein?.

Oh, que canseira.

Mamãe Jeovanna e os avós Claudinho e Lenita estão felizes com a chegada da mais nova integrante da família Castro.
Parabéns...

Você sabe quais são as "Sete Maravilhas do Brasil" ?

Uma eleição realizada pela internet ano passado no período de 8 de outubro a 31 de dezembro, escolheu as sete maravilhas do Brasil.
Veja a relação logo abaixo.

O nosso lindo Ver-O-Peso faz parte dessa seleta lista.

Catedral da Sé de São Paulo.

Fortaleza dos Reis Magos em Natal - Rio Grande do Norte.

Teatro Amazonas em Manaus.

Fortaleza de São José de Macapá.

Centro Histórico de Ouro Preto - Minas Gerais.

Conjunto Arquitônico da Natividade de Tocantins.

Nossos parabéns ao ex prefeito Nato Costa...

Hoje, 26 de março um grande homem filho desta terra, pai de família exemplar e um grande amigo do povo luziense faz aniversário nessa data, trata-se do ex prefeito Nato Costa que ao longo de suas duas administrações à frente do poder executivo desse município deixou sua marca como administrador e homem sério que é. Claro que todos nós cometemos erros e nunca agradamos a todos, pois somos seres humanos e portantos não somos perfeitos, por isso mesmo vamos esquecer os erros e deixá-los para que a história os julguem. Lembremos das realizações, dos avanços e da luta do filho desse chão em prol de Santa Luzia na tentativa de dar-nos o melhor que um administrador e líder sempre busca visando dias melhores para seu povo.

É inegável o fato de que Nato Costa foi e sempre será um líder de grande importância no cenário político e social luziense desfrutando do prestígio conquistado desde quando éramos apenas uma pequena vila atrelada ao municìpio de Ourém, pois àquela época Nato Costa desempenhou com muita competência o cargo de sub-prefeito e líder político desta terra conquistanto o respeito e a admiração do seu povo. Por ser um homem sério, íntegro e um respeitado chefe de família, como podemos observar nessa foto.

Para homenageá-lo, neste dia tão importante na vida de qualquer ser humano, estamos aqui deixando nossos parabéns e o desjo de que essa data seja repetida ainda por muito tempo. Na foto abaixo, está nosso amigo nos seus tempos de juventude e playboy que foi...

Parabéns Nato Costa...
São os sinceros votos do Blog Santa Luzia On-line.

Parabéns Padre Cícero - O Santo do Nordeste...

Hoje, 24 de março, comemora-se o aniversário do maior ícone da religiosidade popular brasileira Padre Cícero, o Santo do Nordeste que estaria completando 164 anos nessa data. Abaixo seguem algumas fotos de minha visita à Terra do Padim Ciço, Juazeiro do Norte...

Estátuas de Padre Cícero e da Beata Maria de Araújo, a Beata do milagre...

Votos deixados pelos romeiros em pagamento de promessas...

Imagem de Padre Cícero em meio de 'votos' deixados pelos romeiros...

Estátua de Padre Cícero em seu momento de oração...

Eu na "Sala dos Milagres" no Casarão de Padre Cícero em Juazeiro do Norte...

Estátuas de Padre Cícero e seus colaboradores em rerunião...

Estátuas em tamanho real retratam alguns momentos da vida de Padre Cícero, no museu...

Frente da casa onde viveu Padre Cícero, hoje museu do Padre cìcero...

Nós na colina do Horto, em Juazeiro do Norte...

Eu e o Diego ao lado de uma estátua de Padre Cícero em Juazeiro do Norte...

Foto antiga de Padre Cícero...

Foto antiga de Padre Cícero...

Foto antiga de Padre Cícero...


PADRE CÍCERO ROMÃO BATISTA
Biografia


O Padre Cícero Romão Batista nasceu na cidade do Crato, região Sul do Estado do Ceará, em 24 de março de 1.844. Filho de Joaquim Romão Batista e Joaquina Vicência Romana, carinhosamente chamada Quinô.
Desde cedo o menino Cícero demonstrou interesse pela vida sacerdotal, pois era sempre visto na igreja, ora ajudando o vigário nas suas tarefas, ora lendo histórias dos santos, inspirando-se na vida de São Francisco de Sales decidido a manter-se em permamente castidade, conforme está escrito em seu testamento.
Aos 16 anos de idade matriculou-se no colégio do renomado Padre Rolim, em Cajazeiras, Paraíba, em 1.860, onde ficou menos de dois anos, pois, com a morte inesperada do pai, vítima de cólera, em 1.862, teve que interromper os estudos e voltar para casa, a fim de cuidar da família – a mãe e duas irmãs. A crise financeira decorrente da morte do pai, transtornou a todos e só aos 21 anos de idade, com a ajuda do seu padrinho de crisma, Coronel Antônio Luiz Alves Pequeno, Cícero ingressou no Seminário de Fortaleza, em 1.865. Cinco anos depois foi ordenado sacerdote. Em janeiro de 1.871 retornou a Crato, onde ficou aguardando nomeação para prestar serviço em alguma paróquia. Em 24 de dezembro do mesmo ano, atendendo a convite do Professor Semeão Correia de Macêdo, celebrou pela primeira vez no povoado de Juazeiro, onde permaneceu três dias em contato com o povo, tendo decidido poucos meses depois fixar residência ali, na função de capelão. Tão logo chegou tratou de melhorar a capelinha exigida em 1.827 pelo primeiro capelão, Padre Pedro Ribeiro de Carvalho, adquirindo várias imagens com o fruto das esmolas dos devotos.
Foi o começo de uma obra que, anos depois, perpetuou a memória do padre manso e bondoso, austero quando necessário, piedoso e trabalhador que viria a ser cognominado de PATRIARCA DO NORDESTE.
Naquela época, sob o ponto de vista comercial, o povoado de Juazeiro oferecia pouca coisa aos seus habitantes. Não havia economia de mercado propriamente dita. Imperava a miséria e a marginalidade despontava como conseqüência natural. A esperança de uma mudança nesse quadro era representada pela presença do padre.
Assim, o jovem sacerdote tratou de restabelecer a ordem e os bons costumes do ambiente, conquistando rapidamente a simpatia dos habitantes, tornando-se autêntico líder da comunidade. Juazeiro experimentou, então, os primeiros passos de crescimento, atraindo pessoas da vizinhança, curiosas por conhecer o capelão que tinha vindo do Crato.
De início, o padre Cícero gozava da estima e confiança do novo bispo do Ceará, dom Joaquim José Vieira, bem como do bispo anterior, dom Luís Antônio dos Santos, para quem padre Cícero era um anjo.
Consta que em agosto de 1.884, quando de visita pastoral ao Crato, dom Joaquim fez questão de enaltecer o trabalho do padre Cícero. De passagem pelo povoado de Juazeiro, para consagrar a capela de Nossa Senhora das Dores, iniciada pelo Padre Cícero, em 1.875, ele deixou escrito ali o seguinte: "A capela começada pelo padre Cícero Romão Batista, sacerdote inteligente, modesto e virtuoso, é um monumento que atesta eloqüentemente o poder da fé da Igreja Católica Romana, pois é admirável que um sacerdote pobre tenha podido construir um templo vasto e arquitetônico em tempos anormais quais aqueles que atravessa esta diocese assolada pela seca, fome e peste". Posteriormente acrescentou: " A virtude do padre Cícero enche todo o vale do Cariri".
O bispo, porém, não sustentou essa opinião por muito tempo, porque algo de muito grave aconteceu para martirizar a vida do "sacerdote inteligente, modesto e virtuoso", sendo dom Joaquim a figura central desse martírio.
Tudo começou no dia 6 de março de 1.889.
Ao participar de uma comunhão geral, oficiada pelo padre Cícero, a beata Maria de Araújo não pôde engolir a hóstia consagrada porque esta se transformava numa substância vermelha, hematóide.
Tal fenômeno se repetiu várias vezes na presença do público, sendo mais tarde testemunhado também por outros padres e médicos, os quais, inclusive, chegaram a emitir atestado, concluindo tratar-se de fato subrenatural para o qual não era possível encontrar explicação científica.
Durante algum tempo o fenômeno permaneceu em sigilo, até ser proclamado como milagre, em sete de julho do mesmo ano, por iniciativa de monsenhor Francisco Monteiro, Reitor do Seminário do Crato, o qual organizou uma romaria de cerca de três mil pessoas que saíram de Crato para Juazeiro, a fim de observar a transformação da hóstia em sangue.
A partir daí, Juazeiro virou centro de peregrinação – o embrião das grandiosas romarias de hoje; e quebra-se a tranqüilidade da vida sacerdotal do padre Cícero, sobre quem desaba uma campanha de inveja, de intrigas e perseguições.
Como era de se esperar, o fato terminou chegando ao conhecimento do bispo dom Joaquim, que escreveu ao padre Cícero, pedindo um relatório completo do ocorrido. Na verdade, ele chegou até a repreender o padre Cícero, com firmeza, por não ter sido informado de imediato dos "fatos extraordinários" ocorridos em Juazeiro, e considerou sua negligência como sendo uma quebra do voto clerical de obediência. Mas, não chegou a ser hostil, fazendo questão de ressaltar que confiava na sinceridade do padre Cícero e o julgava incapaz de qualquer embuste.
Padre Cícero atende à solicitação de dom Joaquim e remete o tão esperado relatório sobre o "milagre", uma peça que, segundo o historiador americano Ralph Della Cava, é um dos documentos mais curiosos da "Questão Religiosa" de Juazeiro. ("Milagre em Juazeiro", 1977).
Como o relatório nada esclarecia sobre a procedência do sangue, do Joaquim raciocinou que, se ele era oriundo da hóstia consagrada, tratava-se, realmente, de um fato miraculoso que merecia ser divulgado pelo mundo inteiro; se, por outro lado, o sangue era da própria beata, então seria incoerência atestar que a hóstia se tivesse transformado em sangue de Jesus Cristo, como todos acreditavam.
Inicialmente, dom Joaquim usou apenas a estratégia de permanecer distanciado do assunto, esperando que ele se diluísse por mesmo, caindo no esquecimento geral. Enquanto isso, as romarias se acentuavam e o número de crentes no "milagre" crescia de forma notável afamando o padre Cícero e a beata Maria de Araújo.
Um fato novo, porém, com o qual o bispo não contava, aconteceu para dar ponto positivo ao "milagre". É que um atestado passado pelo médico Dr. Marcos Madeira, diplomado no Rio de Janeiro, conferindo ao fato o caráter de sobrenatural, foi divulgado pela imprensa de forma sensacionalista e, por conta disso a reação da população católica instruída do Nordeste não se fez esperar.
Irritado, o bispo ordenou, então, que o padre Cícero comparecesse ao palácio episcopal em Fortaleza, com urgência, para ser submetido a um interrogatório.
A crença no "milagre" estava mesmo fadada a obter o maior êxito, pois outro médico, o Dr. Idelfonso Correia Lima e o farmacêutico Joaquim Secundo Chaves, convencidos da miraculosidade do fenômeno da transformação da hóstia em sangue, assinaram também um atestado, endossando o que fora afirmado pelo Dr. Marcos Madeira.
Estando a evolução dos acontecimentos a ameaçar um final desastroso, não restou a dom Joaquim outra alternativa senão a de formar uma Comissão de Inquérito com sacerdotes competentes, jurídica e teologicamente, para verificar "in loco" o tão extraordinário fenômeno que todos teimavam em considerar milagroso.
Tal comissão, considerada de alto nível, foi constituída pelos padres Clicério da Costa Lobo, chefe –comissário e Francisco Antero Ferreira, secretário. Os trabalhos de investigação se iniciaram em nove de setembro de 1.891, após três dias de recolhimento e orações, Seguindo orientações superiores, a comissão levou a beata Maria de Araújo para a Casa de Caridade do Crato, a fim de que seus trabalhos pudessem ser conduzidos sem a interferência do padre Cícero. Mesmo assim o fato extraordinário se repetiu. E a comissão maravilhada ante a perspectiva de estar assistindo a um milagre autêntico, concluiu o inquérito dando parecer favorável.
O resultado não agradou a dom Joaquim que, em 19 de julho, já se antecipara optando por uma Decisão Interlocutória, proibindo o culto aos panos ensanguentados e exigindo uma retratação pública do padre Cícero que devia dizer ao povo que não acreditava naquilo que acreditava. Outra comissão sob a chefia do padre Alexandrino de Alencar. Em dois dias, de 20 a 22 de abril de 1.892, esta concluiu as investigações com parecer desfavorável ao "milagre" e que serviu de orientações aos censores eclesiásticos em Roma, culminando com a pena máxima de excomunhão, que não foi posta em prática em face da perigosa repercussão que certamente iria causar.
Suspenso de ordem, proibido de oficiar atos religiosos, padre Cícero a tudo se submeteu com resignação. Foi a Roma, por convocação superior, lá permanecendo quase nove meses. Lá reconquistou o direito de celebrar missa e, regressando a Juazeiro, estava convicto de que seria reabilitado pela Igreja. Por fim, novas sanções lhe foram impostas, sendo definitivamente suspenso de ordem.
Os romeiros, que não podiam encontrá-lo na igreja, se conformavam em ouvi-lo diariamente em sua casa, em busca de conselhos, bem como de proteção espiritual. E ele atendia a todos. Recebia e distribuía esmolas. Aconselhava-os oralmente e por escrito. Era o padrinho de todos. Logo a seguir, privado dos misteres religiosos, padre Cícero dedicou-se à política, atendendo a apelos dos amigos, como Antônio Nogueira Acioli, substituído na chefia da presidência do Estado do Ceará pelo coronel Franco Rabelo, mais para evitar que mãos estranhas conduzissem os destinos de sua cidade, com a mesma ordem que ele conseguira até então.
Ao lado do padre Alencar Peixoto, Dr. Floro Bartolomeu da Costa e outros amigos, padre Cícero fez sentir a sua ação política, empreendendo o movimento pró-emancipação de Juazeiro da jurisdição do Crato, fato consumado com êxito em 22 de julho de 1.911. Com autonomia municipal, Juazeiro teve na pessoa do padre Cícero o seu primeiro prefeito, cuja posse aconteceu em 4 de outubro do mesmo ano. O padre Alencar Peixoto não gostou, já que reclamava para si esse direito, pois foi pensando naquele cargo que ele abraçara o movimento de independência e, inconformado, rompeu a amizade com padre Cícero e Dr. Floro, saiu de Juazeiro e depois lançou um livro: "Juazeiro do Cariri", onde faz severas críticas aos dois ex-amigos. Com isso, quem ganhou foi Dr. Floro que, ao lado e à sombra do padre Cícero, desfrutando do seu enorme prestígio, conseguiu ser o verdadeiro chefe político de Juazeiro, sendo depois eleito deputado estadual e deputado federal.
Em 1.913, padre Cícero passaria a ser novamente o centro de acirrada polêmica política, depois de ter sido afastado do cargo de prefeito (11 de Fevereiro) pelo Coronel Franco Rabelo, presidente do Estado do Ceará. Dr. Floro, na verdade, fôra convocado pelo Partido Republicano Conservador para a chefia de uma revolução para depor Franco Rabelo do governo cearense, eleito que fôra pelo partido contrário. Historiadores acreditaram ao padre a liderança do movimento sedicioso o que sempre negou. Todos, porém, concordam que a participação dele foi necessária, pois somente ele, com seu indiscutível carisma e liderança seria capaz de conseguir a adesão dos combatentes. Armas, munição e estratégia, ficaram a cargo exclusivo de Dr. Floro.
As tropas rabelistas, aquarteladas em Crato, apesar de muito bem municiadas, foram derrotadas no primeiro combate realizado no Cariri. Depois, os rebeldes seguiram em caminhada vitoriosa com destino a Fortaleza, combatendo e vencendo as forças do governo que encontravam pelo caminho. Movimento triunfou. Franco Rabelo foi deposto. Dr. Floro cresceu politicamente a nível nacional. Padre Cícero foi reconduzido ao cargo de Prefeito, onde permaneceu até 1.927, onde terminou arranjando um punhado de inimigos que passaram a criticá-lo chamando-o de protetor de bandidos.
Numa retrospectiva geral da vida do padre Cícero, constata-se alaramente ter sido ele uma figura realmente importante. Foi ele quem introduziu o hábito de se usar no pescoço o rosário da Mãe de Deus, costume até hoje amplamente espalhado em todo o Nordeste Brasileiro. Fundou as Conferências Vicentinas e o Apostolado da Oração, ainda hoje em funcionamento. Muito contribuiu para a educação de seu povo, dando aulas particulares, custeando despesas de estudante pobres e ajudando financeiramente na criação de novas escolas, tendo especialmente para este fim deixado grande parte de seus bens, como herança, à Congregação Salesiana. Foi pioneiro da campanha encetada para a construção do Seminário do Crato. Na terrível seca de 1877 desempenhou papel de destaque, tendo intercedido junto aos poderes competentes, no sentido de serem as vítimas socorridas, recebendo toda a assistência possível na época.
No global, sua atuação extrapolou os limites de sua ação como valoroso pastor de almas. Exerceu grande influência no desenvolvimento da agricultura, incentivando o cultivo da mandioca, da cana de açúcar, etc.; da pecuária, promovendo a introdução do gado zebu e da indústria e comércio, estimulando o surgimento de novas empresas que aceleraram o crescimento de Juazeiro e da região do Cariri.
Praticou, também, a medicina popular, como forma alternativa de cura, prescrevendo remédios caseiros à base de ervas medicinais, com excelentes resultados, e contribuindo desta forma para a expansão do ramo de comércio da fitoterapia. Aliás, até hoje muita gente continua repetindo as receitas do "Padim Ciço".
No campo religioso, direcionou uma devoção toda especial a Nossa Senhora das Dores, padroeira de Juazeiro, e que juntamente com a romaria dedicada à sua própria pessoa, após a sua morte, terminou por transformar Juazeiro num dos maiores centros de religiosidade popular da América Latina.
E, finalmente, fez florescer um tipo "sui generis" de artesanato bastante apreciado no Brasil e no exterior e que absorve um número incalculável de artistas. Essa atividade, até hoje em evidência, representar o meio de vida, a fonte de ganho e de sustentação financeira de milhares de pessoas.
Padre Cícero faleceu no dia 20 de julho de 1.934, com 90 anos de idade, em Juazeiro do Norte, acometido de renitente enfermidade renal e outras complicações orgânicas. Sua morte, como era de se esperar, causou profunda e incontida consternação no seio da população local assim como aos seus milhares de devotos espalhados por todo o Nordeste do Brasil.
Muito pensaram que morto o ídolo, a cidade que ele fundou e a devoção à sua pessoa acabariam em pouco tempo. Nada disso, porém, aconteceu.
A cidade de Juazeiro do Norte é hoje a maior do interior cearense, com contínuo ritmo de desenvolvimento a ele continua sendo uma das figuras mais destacadas do clero brasileiro, objeto de estudo por parte de historiadores e cientistas sociais, em função de quem foram defendidas muitas teses de mestrado e doutorado no País e no exterior, e seu nome transformou-se num robusto volume editorial, com mais de uma centena de obras publicadas a seu respeito, afora um incontável número de artigos e trabalhos diversos espalhados pela imprensa em geral, sendo inclusive tema de filmes e documentários de televisão.
Rejeitado pela Igreja, tornou-se o verdadeiro santo dos nordestinos e como tal é venerado à revelia de Roma.
Em todas as partes do Nordeste há referências às mais diversas curas e graças alcançadas por sua intercessão, muitas das quais considerada como autênticos milagres. A fé do povo no seu santo é inabalável. Padre Cícero deixou o mundo dos vivos, mas, continua vivendo no coração de todas que cultuam sua memória.

Fonte:
Site oficial do Padre Cicero
http://www.padrecicero.com.br/portug.htm

Nando. Parabéns!

No último domingo 16, o ex vereador Fernando Vieira, popular Nando completou mais um ano de vida da maneira que ele mais gosta, com uma grande festa e a presença maciça de seus familiares e amigos numa demonstração de prestígio e carinho para com um filho desta terra. Foi um evento para ficar na memória do aniversariante e da população da cidade de Santa Luzia que reuniu num só ambiente pessoas de todos as classes sociais e credos políticos numa festa apoteótica embalada ao som da boa música local, regada com muita cerveja e um bom churrasco numa tarde ensolarada de domingo onde a regra geral era beber, cair e levantar...

Nando recebeu uma homenagem especial de seu amigo e aliado político, o empresário e prefeitável Édno Alves que muito emocionado através de uma carta lida pela jovem Ester destacou as qualidades do grande homem, empresário, professor e político de grande importância no cenário luziense.

Como não poderia deixar de ser, estavam presentes o Sr. Feliciano e sua esposa a Sra. Mariazinha, ambos pais do aniversariante que tanto orgulha a família e os amigos.

Os Vieiras são reconhecidos pela grande prole e principalmente pela a união e respeito mútuo, o que torna essa familia um exemplo a ser seguido. Aqui o Nando com suas irmães Jamilly e Nazaré.

O aniversariante em seu discurso de agradecimento à presença dos convidados...

Aqui, uma pequena parte dessa familia que sob a boa educação dada pelo patriarca soube trilhar o sucesso e vencer tendo como base o conhecimento...

Parabéns Nando, você mostrou que tem amigos que tanto te querem bem pela pessoa que você é: bom amigo, companheiro de todas as horas e uma grande liderança...

Crise na maior banda de forró do Brasil - Aviões do Forró...


Segundo alguns sites especializados, a maior banda de forró do Brasil, Aviões do Forró, está em crise com a saíde de quatro integrantes, entre eles o famoso baterista Riquelme que é um dos ícones da banda juntamente com os vocalistas Xandy e Solange.
As informações abaixo foram colhidas dos sites Felipe Cds, Rumbora.com e Forró de cumforça. Veja matéria na íntegra:

CLIMA TENSO NO AVIÕES
O clima na banda Aviões do Forró parece ser dos piores desde a sua criação, devido a questões salariais. Segundo o site Forrodicumforça, o baterista Riquelme estaria a um passo de deixar a banda Aviões do Forró e estaria analisando duas propostas: uma da banda Forró Sacode e outra da Furação do Forró que está tomando conta do Ceará sob o comando de Marcinha e Léo Rodrigues.
Ainda segundo o site forrozeiro, os músicos da banda Aviões do Forró estão sem aumento a três anos, apesar do sucesso estourado do grupo em todo Brasil.
Com base nestas informações, fomos (site rumbora.com) em busca de mais detalhes. Falamos com o escritório da banda Furação do Forró em Fortaleza e conversamos com o empresário Xuxa que confirmou a contratação de quatro músicos de Aviões pela sua banda.
São eles os já citados pelo site Dicunforça: o baixista Valdeci e o guitarrista Luciano que confirmaram a contratação do baterista Riquelme que, segundo eles só ficará no Aviões do Forró até o dia 24 deste mês, e a outra novidade na Furação é o sanfoneiro Darlan também ex. Aviões.
É meus amigos, no mundo do forró quem dar mais leva, e neste caso a Furação saiu na frente emplacando quatro excelentes músicos para sua banda.

FONTES:
www.forrodecunforca.com.br
www.rumbora.com.br
www.felipecdsips.blogspot.com

Páscoa - A celebração da Páscoa vai muito além do chocolate e dos ovinhos...


Esta semana que se inicia é de extrema importância para nós "Cristãos Católicos". É a Semana Santa, período que celebra a paixão de Cristo e antecede a Páscoa, uma das maiores festas religiosas da humanidade.
Páscoa é uma data muito significativa para a Igreja Católica. Comemora-se a vitória de Jesus, sua ressurreição. Páscoa é vida, daí seus símbolos por excelência serem o ovo e o coelhinho.
Importante que não se faça dessa data apenas uma festa comercial, quando, envolvidas por maciça propaganda, as pessoas apenas compram bombons e ovos de chocolate sem qualquer significado religioso. Claro que presentear é sempre um gesto fraterno e cordial. Nunca é demais obsequiar os que nos são caros, cultivando boas amizades. Mas é preciso pensar no verdadeiro sentido dessa comemoração religiosa tão importante na nossa vida cristã. Páscoa é tempo de reflexão e sacrfício, afim de nos tornarmos pessoas melhores e verdadeiro cristãos filhos do DEUS PAI.
Os principais síbolos da páscoa são:

Ovos de Páscoa - assim como o ovo, aparentemente morto, contém em si uma vida nova, assim o sepulcro de Cristo escondia uma Vida Nova. Simboliza uma nova vida. Vida que está para nascer. Os cristãos primitivos do oriente foram os primeiros a dar ovos coloridos na Páscoa simbolizando a ressurreição, o nascimento para uma nova vida. A ressurreição de Jesus também indica o princípio de uma nova vida.

Coelhinho - Por sua fecundidade a coelhinha simboliza a Igreja. É o símbolo da fertilidade, são animais que reproduzem com facilidade e em quantidade. Representa, portanto, a capacidade da Igreja produzir novos discípulos e espalhar pelo mundo a mensagem de Cristo.

Cordeiro Pascal - Representa Cristo, o verdadeiro Cordeiro de Deus. Assim, o cordeiro é o símbolo mais antigo da Páscoa, relembra o sacrifício realizado pelos israelitas no primeiro dia da Páscoa, como símbolo da libertação do Egito. No Novo Testamento, o Cristo é o Cordeiro de Deus, que se sacrificou pela salvação de toda a humanidade. "Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo".

Pão e Vinho - São os símbolos da Eucaristia :Foi na última ceia (Quinta-feira Santa), Jesus escolheu o pão e o vinho para dar vazão ao seu amor. Representando o seu corpo e sangue, que foram oferecidos aos seus discípulos para celebrar a vida eterna. O pão pode ser reapresentado por espigas de trigo e o vinho por cacho de uvas.

Círio Pascal - É uma vela grande e grossa, que deve ser acesa todos os anos, pela primeira vez, no Sábado Santo, no início da celebração da Vigília Pascal. Faz-se, se a inscrição dos quatros algarismos do ano em curso; depois se cravam cinco cravos, que lembram as cinco chagas de Jesus, além de duas letras gregas "Alfa" e "Ômega" a primeiras e últimas letras do alfabeto grego. O alfa representa o princípio e o ômega, o fim. O círio, simbolizando Cristo vivo, ressuscitado, é a luz que ilumina e guia a vida do cristão; pois o próprio Jesus disse: "Eu sou a luz do mundo!" "Eu sou o princípio e o fim".

A Cruz - Jesus que morreu na cruz para nos salvar, deu à humanidade mais uma lição de humildade: sendo Filho de Deus, que tudo pode, ele morreu da forma mais humilhante que havia em seu tempo. A cruz nos recorda o sofrimento e a ressurreição de Jesus Cristo. No Concílio de Nicéia, em 325 d,C., Constantino declarou a cruz como símbolo oficial do cristianismo. Temos não somente um símbolo da Páscoa, mas um símbolo da fé católica, o sinal do cristão.